Make your own free website on Tripod.com

Ortodoxia 2000

Menu Ícones.
Clique no título para acessar Ícones de Cristo

Ícones de Cristo.



Clique no título para acessar Ícones da Mãe de Deus

Ícones Mãe de Deus.



Item Ícones dos Santos inativo

Ícones dos Santos.



Clique no título para acessar Ícones das Festas

Ícones das Festas.



Clique no título para retornar ao início de Ícones

Início Ícones.



Clique no título para retornar a página principal do site

Retorna Página Inicial.

Ícones

O que é um Ícone?

Um ícone é uma imagem sagrada de Cristo, de Maria, ou de santos, que ao venerá-los nos levam a adorar a Deus. Os ícones diferem de simples quadros em vários pontos. Além do motivo religioso os ícones procuram ressaltar não a natureza humana como numa fotografia ou como em muitas imagens e esculturas ocidentais, que nos levaria ao risco de cairmos num sensualismo ou mesmo num naturalismo desprovido do caráter divino. Os ícones querem mostrar uma realidade transformada, uma realidade glorificada e deusificada do que se representa. Assim os Ícones não respeitam as proporções, cores e demais elementos naturais buscando assim reproduzir não uma imagem idêntica ao protótipo mas sim uma imagem idealizada do mesmo. Os ícones são feitos de acordo com os cânones da Igreja e de acordo com técnicas milenares incluindo o uso dos elementos naturais, como terra, pintura a ovos, tudo isso para louvar a Deus.
Para uma criança um ícone pode parecer uma imagem feia, porém é repleto de uma beleza que precisa de conhecimento e maturidade para ser admirada.
Segundo a tradição o primeiro íconografo (literalmente escritor de ícones) teria sido São Lucas, que teria feito uma imagem da Virgem Maria. O termo escritor é apropriado uma vez que o ícone não é uma pintura desprovida de significado mas sim é uma imagem que nos trás muitas lembranças de nossa fé.
Diante de um ícone há muito mais que do que contemplar sua rara beleza. Há todo um significado a ser compreendido, e o ícone é antes de tudo um lugar de oração.
Assim, o iconógrafo deve ser uma pessoa de grande espiritualidade pois ou contempla uma nova revelação ou é reprodutor de uma mensagem já revelada.
Mesmo diante de normas rígidas o iconógrafo encontra a liberdade para expressar sua capacidade de criação. Não se trata de apenas preservar formas velhas mas sim de construir novas formas em continuidade com as antigas.
Mas é justo venerarmos os ícones? Cristo ao se humanizar se tornou o grande Ícone do Pai. A natividade de Cristo rompe a proibição antigo testamentária e agora o que antes nos era invisível se torna visível e assim ao se fazer um ícone se recorda a natividade de Cristo. A criação é elevada e se une para sempre com a divindade. Assim da mesma forma que Cristo se tornou imagem do Deus invisível os ícones são imagens visíveis de uma realidade santa. O ícone, em suas duas dimensões, nos lembra uma janela, um portal para uma outra realidade onde nós vemos a Jesus Cristo como ele se deixou ver bem como os santos e assim ao venerarmos os ícones estamos na verdade nos lembrando de seu nascimento e adorando o Deus encarnado.

[Por José Lauro Strapasson]

Para saber mais.
Em português há uma série de 3 livros da Editora Paulinas (série mais detalhada e completa em história):

Os Ícones, Imagens do invisível. Irmã Maria Donadeo, Editora Paulinas.
Ícones da Mãe de Deus, Irmã Maria Donadeo, Editora Paulinas.
Ícones de Cristo e dos Santos, Irmã Maria Donadeo. Editora Paulinas.

Além da Editora Paulinas há também a série chamada Iconostásio, de Gaetano Passarelli, AM Edições com 20 títulos (série resumida e mais litúrgica) entre eles, O Ícone da Trindade, O Ícone da Ressureição, O Ícone da Mãe de Deus, etc.


 
 
 


| Página atualizada em 16 de fevereiro de 2007 |